Gastos com codificados e pagamentos de produtividade:

JANEIRO/2013 10.458.731,23
JUNHO/2013 12.354.497,56
JULHO/2013 12.953.790,57
AGOSTO/2013 13.193.416,32
JANEIRO/2014 11.318.027,18
FEVEREIRO/2014 14.390.011,04
MARÇO/2014 14.448.224,29
ABRIL/2014 27.394.339,39
MAIO/2014 1.731.394,73
JUNHO/2014 14.318.039,67
JULHO/2014 14.219.613,52
AGOSTO/2014 14.877.819,70

Conforme pode ser atestado pelo levantamento disponibilizado pelo TCE ao Ministério Público, os valores são elevadíssimos. “Apenas mês de abril de 2014, esse valor chegou ao incrível custo de mais de 27 milhões de reais gastos com alguns “servidores” sem qualquer vínculo funcional com o Estado.

Os valores mensais gastos com o pagamento de codificados é muito maior que o relatado, uma vez que estão baseadas em informações unilaterais fornecidas apenas pela Secretaria de Saúde. A partir de todas estas comprovações, as contratações de servidores, temporários ou codificados, no ano eleitoral e com finalidade eleitoral implicou o emprego de recursos materiais em favor do então candidato reeleito, a restar evidente o mau uso dos recursos públicos, o que desequilibrou o pleito em favor das partes promovidas.

Farra das promoções

Em junho de 2014, o governador, de uma só vez, promoveu 585 policiais civis e em setembro foram mais 23 subtenentes que ascenderam à segundo tenente, além de diversas outras ações que configuraram claramente o interesse eleitoreiro.

Farra do Empreender

Também alvo de ação oriunda do Ministério Público e, tal como a folha de pessoal, os programas sociais do Governo do Estado se prestaram, unicamente, a atender os fins eleitorais das partes Promovidas. Passou-se a conceder benefícios assistenciais de forma desmedida, direcionados a aliados políticos do atual Governador, sem qualquer respeito à moralidade (mais uma vez, como se proprietário fosse do Estado da Paraíba) e dimensões econômicas que denotam a gravidade necessária para a configuração do abuso.

Previsão legal Ilicitude praticada

Prevê no item 7 do edital a aplicação de uma taxa de juros equivalente a 0,9% ao mês para as linhas de financiamentos empreender giro, investimento e misto (investimento + giro). Foi aplicada a todos os contratos a taxa de juros de financiamentos de 0,38%, independente do tipo de contrato.

Estabelece que a seleção dos interessados obedecerá aos critérios previstos no item 5 do Edital. A seleção dos interessados não ocorreu com base na pontuação obtida na análise das propostas técnicas. Na linha de financiamento Empreender Capital Social, o edital prevê no item 7 que a instituição contrate um gestor executivo, que irá trabalhar na referida instituição até o pagamento do financiamento creditício.

Não foi elaborado edital posterior indicando os gestores técnicos selecionados pelo Programa Empreender PB para atuarem como gestores executivos do negócio, os quais deveriam trabalhar na instituição tomadora do empréstimo até o pagamento total do financiamento, contrariando o item 7.2 do Edital.

Compete ao Empreender PB, conforme item 6.2 db edital, homologar o resultado final da seleção dos interessados, publicando o resultado no Diário Oficial do Estado da Paraíba (DOE PB). Não foi observada a publicação no DOE PB da homologação dos referidos classificados.

Chamou a atenção especial: no edital não havia previsão de possibilidade de concessão de empréstimos a pessoas físicas, o que foi feito sem qualquer regulamentação. Frise-se que existem contratos com parcelas vencidas, em que o Governo do Estado não promoveu medidas para a sua cobrança.

Pessoas de outros estados e falecidas receberam do Empreender

Auditoria realizada em pleno período eleitoral detectou que os abusos com o Empreender permaneceram conforme o relatório em que se comprova, por exemplo, que houve saques do programa EMPREENDER por beneficiários de fora do Estado da Paraíba e também com a liberação de crédito para pessoas falecidas.

A gravidade dos fatos ganha contornos ainda mais fortes quando se observa o montante liberado no ano eleitoral comparando com o ano de 2013. De acordo com as informações prestadas do ano de 2013 para 2014 houve um incremento de cerca de 57,41% no total gasto. Ainda, observa-se que em julho de 2014, já em campanha eleitoral, houve um aumento de cerca de 117,51% na concessão de crédito com relação ao mês de junho, o que se sucedeu em agosto.

Com relação à quantidade de beneficiários, houve, segundo os dados conseguidos pelo Ministério Público, um aumento de cerca de 57,15% com relação ao ano de 2013. No ano eleitoral, de junho para julho, o “incremento” foi de cerca de 63,14%. Em agosto, também de 2014, o número sofreu mais um acréscimo de cerca de 20,97%. Ainda de acordo com os dados, em setembro de 2014, o quantitativo beneficiado só perdeu, quando comparado com o ano de 2013, para o mês de dezembro.

Ano Número de benefícios Valores (R$)
2011 218 367.200,00
2012 3.049 16.919.002,40
2013 3.990 15.715.243,46
2014 Até o mês de Agosto – 6.555 26.797.043,93

Farra publicitária

Não bastassem os abusos do poder econômico mencionados acima, o Tribunal de Contas do Estado da Paraíba constatou que a Secretaria de Comunicação Institucional não registrava no portal da transparência as despesas que ela realizava e apesar de notificada a secretaria não prestou prestou quaisquer esclarecimentos.

Na decisão, restou consignado que, entre 01/07/2014 e 09/10/2014, a Secretaria de Comunicação Institucional realizou despesas com publicidade no importe de R$ 7.808.770,78, empenhado e pago quase em sua totalidade dentro do aludido período. Mesmo assim, o portal da transparência do Governo do Estado somente ostentava o pequeno montante de R$ 1.140,00, com o exclusivo objetivo de impedir a fiscalização popular sobre os gastos governamentais, em face da sua duvidosa destinação.

Diante da inconteste inexistência de serviços publicitários prestados ao Estado durante os noventa dias antecedentes ao pleito eleitoral, resta claro e incontroverso que a quantia superior a R$ 7.000.000,00 foi gasta inteiramente em benefício da campanha do Governador Ricardo Coutinho.

Além dos fatos narrados acima, o Governador Ricardo Coutinho também praticou abuso de poder econômico nos seis primeiros meses do ano eleitoral. É que, conforme atesta o SIAFI, o Governo do Estado gastou as seguintes rubricas com publicidade institucional: R$ 8.717.380,54, em 2011; R$ 42.073.467,32, em 2012; R$ 43.660.396,19, em 2013.

Tem-se, assim, uma média mensal de gastos com publicidade, entre 2011 e 2013, de R$ 2.623.645,67. Ocorre que, entre janeiro e junho de 2014, o Governo gastou R$ 20.206.460,91 com publicidade institucional, resultando em uma média mensal de R$ 3.367.743,30.

Farra na PBPrev

Em 2013, após inspeções realizadas pela CGE, diversas irregularidades foram apontadas, no tocante à concessão pagamento de benefícios pela PBPrev.

Constatou-se que uns processos eram apreciados com bastante “agilidade e presteza”, enquanto outros aguardavam até sete anos para serem julgados. Por isso, a CGE emitiu as seguintes recomendações à autarquia:

1)  – Normatizar relação de documentos necessários para cada tipo de processo, definição de critérios para análise e prazo de permanência em cada setor;
2)  – Instituir normativo para procedimentos de pagamentos de retroativos de aposentadorias e pensões;
3) – Definir autoridades e responsabilidades para implementação dos procedimentos normatizados conforme recomendações 1) e 2).

A CGE verificou também que, no sistema de protocolo, constavam 5.142 processos de retroativos de aposentadoria e de pensão em aguardo de análise, sendo o mais antigo datado de 27/07/2006. Assim, a Controladoria-Geral do Estado exarou, ainda, as recomendações a seguir:

1) Instituir Plano de Ação para efetivação da análise dos processos administrativos peticionados relativos a retroativos de aposentadorias e pensões;
2) Definir autoridades e responsabilidades pela instituição do Plano de Ação mencionado no item anterior;
3) Implementar o Plano de Ação instituído.

Diante disso, o então presidente da autarquia, Sr. Hélio Fernandes Carneiro, suspendeu a análise de todos os requerimentos de valores retroativos, até que fosse elaborada a normatização do procedimento administrativo, bem como instituído o plano de ação, conforme recomendações da CGE.

Além disso, pesou o fato de a PBPrev não possuir condições financeiras para efetuar o pagamento de retroativos.Assim, até 19/08/2014, quando o Sr. Hélio Fernandes Carneiro pediu exoneração do cargo, nenhum processo fora analisado, ante a inexistência de normatização procedimental e de plano de ação.

Então, foi nomeado o substituto para o referido cargo, o Sr. Severino Ramalho Leite, que, a partir de 10/09/2014, passou a analisar, deferir e pagar todos os valores retroativos requeridos até então paralisados, sem qualquer critério objetivo, a não ser o meramente político, visando a angariar votos e aderentes o projeto de reeleição de Ricardo Vieira Coutinho a partir do dia 10 de setembro, conforme publicado no Diário Oficial do Estado.

Além dos pagamentos publicados no dia 10/09/2014, foram concedidos pagamentos de retroativos de aposentadoria e de pensão nos dias 11, 16, 17, 18, 20 e 24 do mesmo mês. Ao se analisar as informações contidas no SIAFI, percebe-se, claramente, que o critério para o deferimento dos benefícios foi exclusivamente político, com o fito de beneficiar a eleição dos candidatos Ricardo Vieira Coutinho e Ana Lígia Costa Feliciano.

O abuso foi tamanho, que, nos dias 3 e 4 de outubro, antevéspera e véspera do primeiro turno das eleições, foram deferidos e publicados, no DOE, 205 pedidos de retroativos, alcançando a astronômica cifra de R$ 2.754.953,99.

Após o resultado do primeiro turno das eleições, em que o candidato Cássio Cunha Lima obteve a primeira colocação, com uma diferença de 28.388 votos, foi intensificado o processo de deferimento e pagamento sistemáticos de retroativos, conforme demonstram os Diários Oficiais dos dias 8, 10, 12, 14, 15, 16, 17, 18 e 22 outubro.

Em suma, até 18/10/2014, 595 eleitores foram beneficiados pelos acelerados deferimentos de benefícios, onerando os cofres públicos na quantia aproximada de R$ 10.000.000,00. Após a ocorrência do segundo turno da eleição de 2014, em 26/10/2014, a PBPREV não concedeu mais nenhum pagamento de retroativo. Foi “fechada a torneira”, lembrou o advogado José Otávio Terceiro Neto.

Farra fiscal

Não bastasse o intenso derrame de dinheiro público empreendido pelo Governo do Estado por intermédio de todas as ações citadas acima, o Governador Ricardo Coutinho ainda entendeu ser necessário abrir mão de receitas estatais, em valores incalculáveis, a esvaziar, ainda mais, os cofres públicos, em troca de “simpatia” do eleitorado.

Em 30/12/2013, foi publicada a Medida Provisória nº 215, que concedeu remissão de créditos tributários, constituídos ou não, inscritos ou não em dívida ativa, relativos ao IPVA e às taxas estaduais vinculadas ao DETRAN-PB.

Situação semelhante ocorreu com a MP nº 225, a qual dispensou e/ou reduziu multas, juros e demais acréscimos legais relacionados com o ICMS, cujos fatos geradores tenham ocorrido até 31/12/2013, inscritos ou não em dívida ativa, inclusive os já se encontravam em execução fiscal.

É evidente que as Medidas Provisórias nº 215 e nº 225 promoveram, em pleno ano eleitoral, um perdão generalizado, injustificado e irresponsável de créditos de IPVA e ICMS, a alcançar até créditos tributários que não haviam sequer sido constituídos.

Durante programa radiofônico institucional do Estado, o governador fez questão de destacar a “boa ação” e este mesmo tema foi usado na sua propaganda eleitoral quando ele disse taxativamente que perdoou dívidas de IPVA, Taxas de Bombeiros e de outras taxas. O especialista em Direito Eleitoral lembrou que o Tribunal Superior Eleitoral cassou o governador de Roraima por este ter enviado, em ano eleitoral, à Assembleia Legislativa daquele Estado projeto de Lei que visava ao parcelamento, à anistia e à remissão de débitos fiscais. No caso do governador Ricardo Coutinho, ele nem sequer enviou o projeto à Assembleia.

Farra futebolística

O Programa Gol de Placa foi criado por Lei Estadual em 2008. Trata-se de um programa de incentivo ao futebol profissional, por intermédio da captação de recursos junto aos contribuintes de ICMS do Estado da Paraíba.

Foram expressamente revogados os artigos 5º e 6º da Lei nº 8.567/2008, os quais previam a obrigatoriedade de prestação de contas pelos clubes beneficiários do programa à CGE. Isso mesmo, advertiu o causídico: “aboliu-se a necessidade de prestação de contas. Assim, os clubes, hoje, estão à vontade para gastar os recursos públicos que lhes são cedidos, por intermédio de renúncia fiscal, sem dar qualquer satisfação ao Estado ou à sociedade”.

Farra das ambulâncias

O Governo do Estado, representado na figura do governador Ricardo Coutinho, em pleno decorrer do processo eleitoral, resolveu realizar entregas diuturnas e sistemáticas de ambulâncias em prol de municípios de todo o Estado, notadamente para lideranças políticas que apoiaram a candidatura à reeleição do governador. Em várias ocasiões, foram realizadas entregas festivas e em pleno período eleitoral, de ambulâncias à vários prefeitos paraibanos que as receberam com fogos de artifícios e carreatas

O fornecimento de ambulâncias esteve condicionado única e exclusivamente ao apoio ao projeto político de reeleição de Ricardo Coutinho processo que, pelo visto, foi intensificado no período eleitoral e que já está, inclusive, a merecer atenção do Egrégio Ministério Público Eleitoral.