VÍDEO: Deputada Dra. Paula retorna aos trabalhos na ALPB, ressalta importância da valorização da mulher no estado e cobra do Governo atualização do salário dos motoristas que prestam serviço à 9ª Regional de Educação

Publicado em 6 ago 2019 - silvano

A Deputada Estadual Dra. Paula Francinete (PP) fez uso da tribuna da ALPB e reforçou o seu retorno aos trabalhos.

Segundo a Deputada que fez várias críticas contra o Governo do Estado da Paraíba e reforçou a sua luta em favor da mulher. “QUE VERGONHA, continua os altos índices de assassinato contra a mulher. Temos um estado que negligencia. É necessário continuar denunciando e quem sabe até gritar”. Destacou a Deputada.

Dra. Paula enfatizou aos altos índices de assassinato contra as mulheres paraibanas e reforçou a LEI MARIA DA PENHA. Onde informou que por meio de requerimentos solicitou o debate sobre a reforma tributária, ressaltando os prejuízos para as prefeituras da Paraíba.

Confira na integra:

A deputada Drª Paula Francinete (PP) fez, nesta terça-feira (6), na Assembleia Legislativa, da Paraíba, um apelo ao Governo do Estado no sentido de que o Poder Executivo atualize os salários dos motoristas de transporte escolar que prestam serviço ao Governo, na 9ª Regional de Educação do Estado, que contempla a região polarizada pela cidade de Cajazeiras.

De acordo com a parlamentar, os salários estão atrasados há seis meses. “Não podemos admitir esse atraso, são pais de famílias que prestam serviço do estado e, como todo trabalhador, eles têm direito aos seus salários, atrasados há seis meses”, declarou.

Ainda na Tribuna da ALPB, a deputada falou sobre a questão do atraso nas obras do canal da transposição de águas do Rio São Francisco, assunto levantado pelo colega Jeová Campos (PSB), após ser aprovada, na Casa Epitácio Pessoa, uma Frente Interestadual para debater o assunto.

Drª Paula disse que é preciso ir a Brasília, debater o assunto com nos ministérios, sob pena do tema ser discutido sem sucesso, se restringindo apenas ao âmbito das assembleias legislativas dos Estados de Pernambuco, Paraíba e Rio Grande do Norte. “É preciso discutir o assunto no local certo, que é Brasília. Sem isso, a Frente não vai a lugar nenhum”, comentou.

 

Por Silvano Dias